segunda-feira, abril 02, 2012

Calor...


- Quente... - sussurrou ele.
- Shhh!!!... - Ela o fez se calar com um breve beijo.
- Mas está quente, isso é um fato. Ou vai me dizer que não percebeu?! - insistiu ele.
- Não. Eu não percebi, estou suando a toa. Me poupe garoto. - Ela se levantou e deu-lhe as costas. Um breve silêncio se fez entre os dois até que ele quebrou o gelo:
- Eu tenho uma ideia; chegue mais perto.
- Mas você não estava reclamando do calor até poucos minutos atrás? 
- Vai vir ou ficar aí repetindo o que eu disse? - ele começou a se aproximar.
- Eu já mandei você à merda hoje?
- Também te amo! - disse ele lhe puxando.
- Ahhh. Seja breve e diga logo o que você quer.
- Shh... Não vou dizer nada, melhor mostrar.

E trazendo-a para ainda mais perto de si, ele a abraçou bem forte. Beijo-lhe a cabeça e foi acariciando seu corpo, beijando seu pescoço, mordiscou sua orelha e parou em seus lábios. Ao se beijarem ele sentiu os lábios dela trepidarem. Ansiavam de amor e desejo e naquele instante ele começou a beijá-la intensamente até perceber que seus corpos estavam tão próximos que não havia espaço para mais nada além do choque de êxtase e paixão do momento.

Enquanto ouvia-se apenas o sussurro mudo deles, a situação foi ficando cada vez mais quente. Em dado momento ficaram sentados um de frente ao outro, ele tomou suas mãos e apenas olhou em seus olhos demoradamente, como se tivessem todo o tempo do mundo. Ela se jogou em cima dele num abraço infinito e começou a beijá-lo novamente. Momentos depois  ela estava sentindo sua blusa ser retirada cuidadosamente. E apesar de todo o cuidado, as mãos que sentiu eram firmes e tinham pressa. No mesmo instante ela arrancou-lhe a camisa e o derrubou em cima do tapete felpudo que estava no chão do quarto. Rolaram por sobre o tapete por horas a fio sem se dar conta do raiar do dia que surgia pela janela. Passaram a noite se amando como nunca haviam se amado antes e ao se darem conta do novo dia, ele a tomou nos braços, mesmo contra vontade dela e foram para a varanda aproveitar o nascer do dia. Ao colocá-la no chão, delicadamente, ele sussurrou em seu ouvido que a amava e beijou sua testa enquanto a abraçava pelas costas.

Quando a calor do sol nascente inundou seus corpos, eles se lembraram do calor que sentiram e ignoraram durante toda a noite e um breve arrepio fez com que se abraçassem mais forte. Era o inicio de mais um dia juntos.

I.C.A.

Um comentário: